quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Todos nós temos uma cor...



O Dia Nacional da Consciência Negra foi comemorado no dia 20 de novembro, em homenagem a Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares.

Desde o descobrimento do Brasil até hoje, existe uma enorme exclusão social – e essa desigualdade também tem cor. Quantas vezes você já ouviu, ou até falou: “Sabe aquele cara de cor? Até que ele é legal”. Aí vem a pergunta: de que cor?

Todos nós temos uma cor: branca, amarela, vermelha, negra... Todos nós temos uma etnia. Por que será que, sempre que falamos “pessoa de cor”, estamos nos referindo aos negros?

Por que tratamos os negros e os índios como estrangeiros que vieram roubar o trabalho dos brancos. Afinal, foram os próprios colonizadores brancos que trouxeram os negros da África para trabalhar como escravos – além dos índios, que já estavam aqui!

“Parece que os negros não têm passado, presente ou futuro no Brasil. Parece que sua história começou com a escravidão, sendo o antes e o depois dela propositalmente desconhecidos.” Quem afirma é o antropólogo Kabengele Munanga, professor do Centro de Estudos Africanos da Faculdade de Filosofia, Letras, Ciências e Humanidades da USP.

Escritores, líderes, engenheiros e políticos negros ainda são pouco conhecidos de alunos e até dos professores! Vou citar apenas alguns deles:

- Milton Santos nasceu em 3 de maio de 1926, em Brotas de Macaúbas, na Bahia. Filho de dois professores primários, ele tornou-se um dos geógrafos negros mais conhecidos no mundo.

- Lima Barreto (Afonso Henriques de Lima Barreto) nasceu em 13 de maio de 1881, no Rio de Janeiro, neto de escravos e filho de professores. Em 1897, menos de dez anos após o fim da escravidão, ele foi aceito na importante escola de Engenharia do Rio de Janeiro – o único negro da sala.

Bem, são tantos outros negros e negras importantes que eu poderia citar, que não caberiam neste artigo...

PS 1: Um país que não conhece a sua história não tem como ir adiante!

PS 2: Sem passado, não existe futuro... não existe identidade!

PS 3: “O dia em que pararmos de nos preocupar com consciência negra, amarela ou branca, e nos preocuparmos com consciência humana, o racismo desaparece!” (Morgan Freeman)

Publicado em 23/11/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

Espelho, espelho meu...


Você tem rugas? Está se sentindo muito gordo(a)? Acha que seus seios estão grandes ou caídos? Fica encucado com sua careca, ou se seus cabelos estão ficando brancos demais? Não se preocupe, já está disponível no mercado um remédio que resolve tudo isso!

Mas, infelizmente, esta fórmula não está à venda nas farmácias – e não adianta buscar no Google... Esse remédio tem vários nomes: “autoconfiança”, “autoestima”, ou, “seja você mesmo!”.

A vida é feita de várias fases, nas quais nosso corpo vai se moldando e nossa personalidade também! Estamos sempre sujeitos a todo tipo de influência. É só ligar a TV, navegar na internet, no Facebook, folhear uma revista, e vamos ver imagens de homens e mulheres considerados perfeitos – dentro dos padrões de beleza estipulados pela nossa sociedade, só pra lembrar!

Aí, começam a surgir os efeitos colaterais: “Estou um lixo...”, “Eu nunca vou ser igual à Angelina Jolie, ou ao Brad Pitt...“, “Será que devo fazer uma plástica? Um implante de cabelos? Colocar silicone?...”.

Calma! Pense um pouco: você é único(a), seu corpo e seus traços físicos são só seus e mudanças fazem parte de nossa vida. Cuidar da saúde e de nossa aparência é importante, mas o mais importante é descobrir a nossa própria beleza!

Comecei a pensar neste assunto há alguns anos atrás, quando, em uma bela manhã, acordei e me olhei no espelho. De repente, não sei por que, fiquei pasma e pensei: “Os anos passam, a vida passa…”.

Claro que tenho minhas recaídas, como todo mundo... Nestes momentos, faço uma pausa e ouço meu pequeno “grilo falante” dizendo: “temos o direito, e talvez até o dever, de criar o nosso padrão de beleza”. Ou melhor, talvez não exista um padrão, mas, sim, um conjunto de fatores que nos torna belos!

PS 1: Se os sintomas persistirem, não procure um médico, procure por você mesmo!

PS 2: Cuidar de si mesmo é importante. Mas não deixe de cuidar dos outros.

PS 3: Acho que vou assistir de novo ao filme da Branca de Neve...

Publicado em 09/11/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Perdas... São necessárias?

Li recentemente um livro intitulado “Perdas necessárias”. Não é um livro de autoajuda, nem, tão pouco, uma obra recente. É, de fato, uma reunião de ideias sobre as perdas que inevitavelmente temos ao longo da vida: mortes, separações, términos, partidas, perdas de ilusões e sonhos, e a perda do “eu jovem”.

Com todas as catástrofes que têm ocorrido no mundo – enchentes, furacões, terremotos, além das guerras constantes e incoerentes –, acho que, mais do que nunca, esse é um momento para pensarmos e refletirmos sobre essa questão.

Segundo a autora do livro, Judith Viorst, “essas perdas são necessárias porque, para crescer, temos de perder, abandonar e desistir” e “não se pode ser um indivíduo separado, responsável, com conexões, pensante, sem alguma desistência, alguma renúncia”.

Parece, a princípio, uma visão um tanto quanto dura da vida... Mas, afinal, o que é viver? O que é perder ou ganhar? Tudo é tão relativo e frágil...

Quem sabe, no momento da perda, possamos nos encarar de frente – sem a máscara e o figurino típico e “adequado” a cada local de trabalho ou situação – e desnudar-nos, criando a possibilidade de reconhecer-nos, literalmente, de novo.

Quem nunca perdeu algo ou alguém que atire a primeira pedra! Sabemos que o curso de nossa vida é marcado por repetições e continuidades, porém dificilmente aceitamos mudanças, sejam elas fatais ou mesmo benéficas.

“Viver
E não ter a vergonha
De ser feliz
Cantar e cantar e cantar
A beleza de ser
Um eterno aprendiz!”

Trecho de uma das músicas de Luiz Gonzaga do Nascimento Júnior, mais conhecido como Gonzaguinha (1945-1991).

PS 1: As únicas perdas que considero verdadeiras e inevitáveis são as de nossos amigos e entes queridos nesta nossa passagem tão curta!

PS 2: Tento manter um equilíbrio nesta “gangorra da vida” e seguir em frente!

PS 3: Meu respeito ao Dia de Finados.

Publicado em 02/11/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Estamos em 2099...

“Estamos em 2099 e, passados 82 anos da Conferência Mundial do Clima em Copenhague, na Dinamarca, em dezembro de 2009, as consequências do que fizemos – e do que deixamos de fazer – até o final deste século são cada vez mais desastrosas.

Técnicos e especialistas alertaram para as desgraças que viriam num futuro próximo: a poluição do solo, do ar e a escassez da água. A humanidade sobrevive à espera de um milagre tecnológico capaz de reverter a desgraça ambiental que se abateu sobre a Terra. Vou tentar descrever o dia a dia dos cidadãos em nossos dias:

a) O ar se rarefez de tal forma que praticamente não se consegue respirar sem ajuda de equipamentos que levam o oxigênio à boca e às narinas através de tubos;

b) A água é racionada pelo governo. Cada cidadão tem direito a meio litro de água por dia. Os carros pipas são escoltados por homens armados. A higiene pessoal é feita com um pano embebido em óleo mineral;

c) O verde e as florestas não existem mais, são quadros e figuras de museus;

d) As chuvas acontecem muito raramente e de forma torrencial e catastrófica. As águas dos mares e oceanos tornaram-se mais salinas e poucas espécies de peixes ainda sobrevivem;

e) O solo tornou-se arenoso, foi esterilizado pelo sol e o calor que chega a 60°C;

f) Com o aumento da salinidade dos mares, houve grande diminuição da evaporação e queda brusca da umidade relativa do ar. Por isso, os pulmões ardem quando respiramos, nossa pele se tornou áspera e rugosa como a de um réptil;

g) Não existe mais proteína animal e vegetal, toda a alimentação é sintética, fabricada a partir do petróleo, por isso somos obrigados ao uso de suplementos nutritivos sintetizados;

h) A única fonte de energia disponível é a nuclear. Não existe mais a energia hidráulica e os rios secaram.

Especialistas tentam desesperadamente reverter essa situação caótica sem resultados práticos.”

A ficção acima foi escrita por Antonio Germano Pinto, engenheiro químico e especialista em recursos naturais, falecido em 2012. Esta publicação é uma homenagem ao meu querido amigo, que sempre se preocupou com o futuro – e o presente – da humanidade.

Publicado em 26/10/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Fitinhas rosas não bastam...


Outubro Rosa é uma campanha de conscientização para a prevenção do câncer de mama. Ao longo de todo o mês, são discutidas importantes informações sobre a prevenção, tratamentos e maneiras de enfrentar essa doença. E os direitos que as mulheres têm assegurados?

Por falta de informação, os pacientes e suas famílias não sabem que podem ter, além do acesso aos medicamentos, também isenções tributárias, como: Imposto de Renda (IR), Imposto sobre operações financeiras (IOF), Imposto sobre a propriedade de veículos (IPVA), além de outros direitos, como transporte gratuito, liberação do fundo de garantia e do PIS/PASEP e mais a cirurgia reconstrutora!

Na maioria dos casos, o câncer de mama deixa mais que marcas psicológicas na mulher, já que o tratamento pode envolver a retirada de parte ou de toda a mama afetada, ou mesmo das duas mamas. Nestes casos, a cirurgia plástica reparadora de mama é um direito garantido às mulheres que sofreram mastectomia total ou parcial. O procedimento pode ser realizado pela rede de unidades integrantes do Sistema Único de Saúde (SUS).

Bem, até aqui citei os direitos legais... Mas como todos nós sabemos, a teoria na pratica é outra. Com certeza, não vai ser nada fácil conseguir ter todos estes direitos citados acima, infelizmente, devido ao descaso e burocratização de nosso governo, desde a época de D. Pedro I, II, entre outros...

Existem duas formas de ir atrás dos seus direitos. A primeira delas é a via administrativa, em que o pedido pelo medicamento é analisado pela Secretaria da Saúde e o paciente tem um retorno posterior. É comum que o pedido seja negado, o que é um absurdo! Então, se faz necessária a ação judicial. Aí, você pensa: “Se eu não posso pagar um medicamento, como vou pagar um advogado?”.

Procure a Defensoria Pública ou Promotoria de Justiça de sua cidade, ambos os serviços são gratuitos. Vale a pena tentar!

PS 1: É tão fácil criar leis e supostos direitos...
PS 2: É tão fácil distribuir milhares de fitinhas rosas...

Publicado em 19/10/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Feliz Dia das Crianças...


Estudo coordenado pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) aponta que o Brasil alcançou a marca de 3,65 adolescentes entre 12 e 18 anos assassinados para cada grupo de mil jovens.

O número é o mais alto desde que começou a ser medido, em 2005. O IHA (Índice de Homicídios na Adolescência) engloba os 300 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes e se baseia nos dados do ano de 2014 do Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde.

“Este valor é elevado. Uma sociedade não violenta deveria apresentar valores não muito distantes de zero e, certamente, inferiores a 1”, explicam os autores do estudo.

O futuro do Brasil, representado por esses jovens, está em risco, alertam: “Essa alta incidência de violência letal significa que, se as circunstâncias que prevaleciam em 2014 não mudarem, aproximadamente 43 mil adolescentes serão vítimas de homicídio no Brasil entre 2015 e 2021”.

Não quero de maneira alguma estragar esse dia tão lindo que é a comemoração do dia das crianças! Porém, fechar os olhos e fingir que nada disto está acontecendo seria uma atitude muito infantil...

Daqui a alguns anos, as crianças e adolescentes de hoje serão os adultos de amanhã – que também terão seus filhos, netos, bisnetos... Em que tipo de sociedade estas crianças e adultos de amanhã estarão vivendo?

É como uma bola de neve, quanto mais neve tiver maior ela fica! E aí vem a pergunta: por que tantas crianças e adolescentes estão sendo mortos? Tráfico de drogas? Miséria? Falta de educação, moradia, emprego? Pais e mães desestruturados que ainda passam pelas mesmas situações que passaram quando também eram crianças?

Difícil achar uma só causa... Acredito que seja tudo isso e muito mais – o eterno descaso de nosso governo com a sociedade e seus direitos humanos ao longo de várias gerações.

Daqui a pouco, vem mais um ano de eleições e, junto, a nossa chance de votar ou não votar em ninguém que não acreditamos que faça a diferença! No dia a dia, cada um de nós é governante de sua própria vida de seu país!

PS 1: Você já comprou seu presente?
PS 2: Bom feriado!

Publicado em 12/10/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Dia do Idoso em Marte...


Aos 60, professora irá comemorar o Dia do Idoso em Marte! Parece ficção científica, mas é onde Sandra Maria Feliciano da Silva, professora e advogada rondoniense, irá celebrar a data em breve. Hoje com 52 anos, ela é a única concorrente brasileira para o Mars One, programa de colonização do planeta vermelho. E a viagem será só de ida...

O projeto, encabeçado pelo engenheiro mecânico holandês Bas Lansdorp, foi orçado em 6 bilhões de dólares, e convocou candidatos do mundo inteiro que estariam dispostos a ganhar uma passagem só de ida para o planeta vermelho.

Ainda não há tecnologia para que os inscritos retornem, mas, mesmo cientes, cerca de 200 mil pessoas concorreram às 24 vagas finais – e Sandra foi uma delas.

“E se não der certo?”. Entre risos, a corajosa – ou “maluca” como é chamada pela família – Sandra apenas diz: “Se não der, tento de novo”. O primeiro grupo está previsto para embarcar em 2024 e, caso Sandra seja uma das finalistas, terá 60 anos nessa data.

Sandra sempre teve apreço pela ciência e afirma querer morar em outro planeta desde a infância. De São Paulo, mudou-se para Rondônia ainda criança e desenvolveu grande habilidade para a Biologia. “Era uma vida bem diferente para uma criança. Tínhamos de ser criativos para desenvolver soluções para muitas coisas, já que todo o contexto de São Paulo não se aplicava mais. Imagine Rondônia 40 anos atrás”, comenta.

Caso ela seja selecionada dentre os 24 finalistas, Sandra terá que percorrer um longo caminho de treinamentos, mas se demonstra confiante e afirma possuir todas as características que a enquadram como uma boa tripulante. “A briga vai ser intensa porque todos os candidatos para esse projeto são muito fortes. Eu, inclusive”, completa.

PS 1: Tenho certeza que Sandra acredita que Marte pode ser um novo começo!

PS 2: Se todos os políticos, banqueiros e outros poderosos da Terra não forem para Marte, eu também acredito que pode dar certo...

PS 3: Parabéns à Sandra e a todos os idosos do Brasil e do mundo!

Publicado em 05/10/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Favela Tour...

Novo roteiro turístico para os próximos feriados! “Com a pacificação das favelas, é possível que turistas conheçam novos ângulos das praias e da cidade. A segurança para circular é ‘semelhante à do asfalto’”. A afirmação é de uma matéria publicada na mídia impressa em 2011 e destaca como principais atrativos turísticos o Morro do Alemão, do Borel, Cantagalo, além de opções de guias locais.

Tudo muito politicamente correto... Num piscar de olhos, todo o complexo do Alemão está “pacificado” e, ainda mais, pronto para receber turistas de todo o mundo!

Esta exaltação às favelas cariocas é o que mais me surpreende já que essa, se não me falha a memória, é considerada uma das mais perigosas e completamente dominada pelas drogas – o que não mudou muito de lá para cá. Matéria publicada ontem no UOL destaca que a atividade foi suspensa por conta da violência na favela da zona sul do Rio. O conflito armado na Rocinha e o medo da violência levaram a agência Rocinha by Rocinha, que promove o turismo na comunidade, a suspender os passeios a pé – conhecidos como “walking tours”.

Quero deixar claro que não estou descriminando ninguém – e muito menos as favelas, muito pelo contrário. Acho um absurdo transformar a questão da favelização, não só do Rio, mas de todo o Brasil, em um grande circo pra inglês ver! Enquanto milhares de pessoas vivem nelas em uma situação desumana, sem água potável, esgoto, em casas construídas nos morros com restos de papelões, nosso governo quer nos convencer e, pior, convencer o mundo afora, de que favela é sinônimo de cultura e turismo!

Daqui a pouco, morar na favela vai ser “bacana”. Vão até dizer que é um projeto de vida sustentável e ecológico, já que todas as casas são feitas com “material reciclado” e você vive sempre perto da natureza em “estado intocável”...

PS 1: Favela (do dicionário Michaelis): Aglomeração de casebres ou choupanas toscamente construídas e desprovidas de condições higiênicas.

PS 2: No tour de ontem foram mobilizados mais de 1.000 policiais e homens do Exército, além de tanques de guerra...

Publicado em 28/09/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).