quinta-feira, 16 de março de 2017

Princesa Isabel decretou aposentadoria aos 60 anos...

No mínimo, 60 anos de idade e 30 de serviço. Essas eram as regras para os carteiros se aposentarem no final do século 19, quando nascia a Previdência Social no Brasil. Começou pelos funcionários dos Correios, por determinação da princesa Isabel, em decreto de 26 de março de 1888. Do salário mensal dos trabalhadores, era descontado o valor equivalente a um dia de trabalho e depositado no fundo de previdência e pensões.

Antes disso, o governo só pagava poucos benefícios aos dependentes de servidores públicos do Rio de Janeiro que haviam morrido. Depois dos carteiros, a aposentadoria foi estendida a outras categorias, como ferroviários, portuários e funcionários da Imprensa Nacional.

Infelizmente, o sistema funcionou bem por pouco tempo. Cerca de 40 anos depois de seu início, já se falava na necessidade de reforma do sistema previdenciário para evitar seu colapso financeiro – uau, a Previdência já tinha rombos desde 1928!

Finalmente, em 1943, foi sancionada a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT), que estendeu a Previdência Social a todos os trabalhadores brasileiros.

Podemos dizer que nossa princesa foi muito mais generosa que nossos “reizinhos” de hoje. Dizem que, em 2016, o rombo da previdência foi em torno de 316 bilhões de reais...

Mas o que nós pobres mortais temos a ver com isso? Ninguém explicou por que isso aconteceu ou como? E que estória é essa de rombo? Toda vez que os “reizinhos” querem aumentar os impostos ou tirar algum direito já adquirido – ou que tenha que se adquirir – criam um rombo, tudo é culpa do rombo...

É sabido que o Brasil está envelhecendo. Hoje, temos mais de 23 milhões de pessoas com mais de 60 anos em nosso país. E qual é o problema? Será que os nossos governantes não sabiam que isso iria acontecer? Aí, querem ir pelo caminho mais fácil – para eles: aumentar o tempo de contribuição e diminuir o valor da aposentadoria de uma maneira surreal, tornando praticamente impossível a todos nós trabalhadores nos aposentarmos.

PS 1: Será possível regredirmos e ficarmos piores do que em 1888?

PS 2: Acredito que agora está em nossas mãos não permitirmos que mais este crime seja cometido!

Publicado em 16/03/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quinta-feira, 9 de março de 2017

Uma mulher...

Já havia escrito sobre o Dia Internacional da Mulher na coluna anterior... Mas não posso deixar de mostrar esta música tão linda e singela, feita para as mulheres – e penso que, também, para os homens de bom coração! Vamos somar e não dividir!

“One Woman” é uma celebração musical contra a violência à mulher! A música, escrita para a ONU Mulheres, conta com a participação de 25 artistas de 20 países distintos, com a cantora Bebel Gilberto representando o Brasil. Desde 1975, o Dia Internacional da Mulher, criado pela ONU, é comemorada mundialmente no dia 8 de março.

One Woman (Uma mulher)

“Em Kigali, ela acorda,
Ela faz uma escolha,
Em Hanói, Natal, Ramallah.
Em Tânger, ela respira,
Levanta sua voz,
Em Lahore, La Paz, Kampala.
Embora ela esteja a meio mundo de distância
Algo em mim quer dizer...

Nós somos uma mulher,
Você chora e eu ouço você.
Nós somos uma mulher,
Você se machucou, e eu também me machuquei.
Nós somos uma mulher,
Suas esperanças são minhas.
Vamos brilhar.

Em Juarez ela fala a verdade,
Ela estende a mão,
Ensina, então, aos outros como.
Em Jaipur, ela dá seu nome,
Ela vive sem ter vergonha
Em Manila, Salta, Embu.
Embora nós sejamos tão diferentes, tanto quanto possível,
Estamos conectadas, ela comigo.

Nós somos uma mulher,
Sua coragem me mantém forte.
Nós somos uma mulher,
Você canta, eu canto junto.
Nós somos uma mulher,
Seus sonhos são meus.
E nós brilharemos.
Vamos brilhar.

E um homem, ele ouve a sua voz.
E um homem, ele luta sua luta.
Dia após dia, ele deixa ir os velhos caminhos,
Embora ela esteja a meio mundo de distância,
Algo em mim quer dizer.

Nós somos uma mulher,
Suas vitórias nos elevam a todos.
Nós somos uma mulher,
Você se levanta e eu fico alta.
Nós somos uma mulher,
Seu mundo é meu
E nós brilharemos.
Brilhe, brilhe, brilhe.
Nós brilharemos
Brilhe, brilhe, brilhe.
Vamos brilhar.
Brilhe, brilhe, brilhe.”

PS 1: Link para o videoclipe “One Woman” (com legendas em espanhol): https://youtu.be/OYQIyEp_ifI

PS 2: Não deixemos que a mulher se banalize. Infelizmente, muitas ainda continuam se expondo apenas como objeto do desejo!

Publicado em 09/03/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).

quinta-feira, 2 de março de 2017

Temos muito a comemorar, mas...

Oito de março: Dia Internacional da Mulher. Mais um ano vamos comemorar esta data tão importante, oficialmente decretada pela ONU em 1975.

Bem, temos muito a comemorar, mas também ainda temos muito para alcançar quando falamos em respeito, direitos e, mais ainda, sobre a questão do grande número de abusos morais e físicos a este ser tão lindo que gerou todas as pessoas que estão neste planeta!

Eu acho uma insanidade completa maltratar qualquer ser vivo, mas maltratar uma mulher é realmente insano. Afinal, todos nós temos uma mãe, e ela é uma mulher!

Com certeza, hoje, as mulheres adquiriram muito mais espaço na sociedade do que há algumas décadas e séculos atrás. Elas estudam, trabalham, dirigem, votam, podem sair, namorar, escolher com quem querem casar – diga-se, de passagem, ainda existem muitos países onde a cultura e a lei proíbem tudo isso e mais um pouco...

Mas, mesmo no ocidente, onde nos achamos tão evoluídos e liberais, grande parte das mulheres ganham menos que os homens, são as que cuidam dos filhos – antes e depois de voltar do trabalho –, sofrem assédios morais e físicos também.

Me pergunto: Por que o ser humano ainda é tão primitivo? Existem centenas de teorias. Uns dizem que é doença, outros que é uma questão cultural, problemas com o tal lóbulo frontal – ou será que é pura maldade?

Mesmo que não saibamos a resposta, uma coisa é certa: as mulheres continuam sendo alvo de discriminação e agressões imperdoáveis! Cabe a nós, mulheres, em primeiro lugar agir e reagir contra esta situação absurda.

Como mulher, me sinto muito triste e envergonhada quando vejo as “Faustonetes” dançando o domingo inteiro no programa do Faustão, com as bundas e os seios praticamente caindo pra fora da telinha.

Para nossa sorte, posso citar centenas de mulheres que fazem por onde mostrar ao mundo que o ser feminino também é um ser pensante e muito especial, entre elas, nossas queridas: Elis Regina, Cora Coralina, Madre Tereza de Calcutá, Chiquinha Gonzaga, Indira Gandi e tantas outras mulheres anônimas do nosso dia a dia.

PS: Temos muito a comemorar, mas não vale a pena ficar só no arroz de festa...

Publicado em 02/03/2017, na coluna ´Formador de Opinião´ do Jornal ´Bom Dia´, da Rede Bom Dia (às quintas-feiras, a coluna é escrita por Tony Bernstein).